terça-feira, 11 de abril de 2017

MENINICE

       

Guiomar tivera humilde nascimento; era filha de um empregado subalterno não sei de que repartição do Estado, homem probo, que morreu quando ela contava apenas sete anos, legando à viúva o cuidado de a educar e manter. A viúva era mulher enérgica e resoluta, enxugou as lágrimas com a manga do modesto vestido, olhou de frente para a situação e determinou-se à luta e à vitória.
A madrinha de Guiomar não lhe faltou naquele duro transe, e olhou por elas, como entendia que era seu dever. A solicitude, porém, não foi tão constante a princípio como veio a ser depois; outros cuidados de família lhe chamavam a atenção.
Guiomar anunciava desde pequena as graças que o tempo lhe desabrochou e perfez. Era uma criaturinha galante e delicada, assaz inteligente e viva, um pouco travessa, decerto, mas muito menos do que é usual na infância. Sua mãe, depois que lhe morrera o marido, não tinha outro cuidado na Terra, nem outra ambição mais, que a de vê-la prendada e feliz. Ela mesma lhe ensinou a ler mal, como ela sabia, — e a coser e bordar, e o pouco mais que possuía de seu ofício de mulher. Guiomar não tinha dificuldade nenhuma em reter o que a mãe lhe ensinava, e com tal afinco lidava por aprender, que a viúva, — ao menos nessa parte, — sentia-se venturosa. Hás de ser a minha doutora, dizia-lhe muita vez; e esta simples expressão de ternura alegrava a menina e lhe servia de incentivo à aplicação.
A casa em que moravam era naturalmente modesta. Ali correu a infância, — mas solitária, o que é um pouco mais grave. A mãe, quando a via embebida nos jogos próprios da idade, infantilmente alegre, — mas de uma alegria que fazia mal a seus olhos de mãe, tão fundo lhe doía aquele viver, — a mãe sentia às vezes pularem-lhe as lágrimas dos olhos fora. A filha não as via, porque ela sabia escondê-las; mas adivinhava-as através da tristeza que lhe ficava no rosto. Só não adivinhava o motivo, mas bastava que fossem mágoas de sua mãe, para lhe descair também a alegria.
Com o tempo, avultou outra causa de tristeza para a pobre viúva, ainda mais dolorosa que a primeira. Na idade apenas de dez anos, tinha Guiomar uns desmaios de espírito, uns dias de concentração e mudez, uma seriedade, a princípio intermitente e rara, depois freqüente e prolongada, que desdiziam da meninice e faziam crer à mãe que eram prenúncios de que Deus a chamava para si. Hoje sabemos que não eram. Seria acaso efeito daquela vida solitária e austera, que já lhe ia afeiçoando a alma e como que apurando as forças para as pugnas da vida?
A primeira vez que esta gravidade da menina se lhe tornou mais patente foi uma tarde, em que ela estivera a brincar no quintal da casa. O muro do fundo tinha uma larga fenda, por onde se via parte da chácara pertencente a uma casa da vizinhança. A fenda era recente; e Guiomar acostumara-se a ir espairecer ali os olhos, já sérios e pensativos. Naquela tarde, como estivesse olhando para as mangueiras, a cobiçar talvez as doces frutas amarelas que lhe pendiam dos ramos, viu repentinamente aparecer-lhe diante, a cinco ou seis passos do lugar em que estava, um rancho de moças, todas bonitas, que arrastavam por entre as árvores os seus vestidos, e faziam luzir aos últimos raios do sol poente as jóias que as enfeitavam. Elas passaram alegres, descuidadas, felizes; uma ou outra lhe dispensou talvez algum afago; mas foram-se, e com elas os olhos da interessante pequena, que ali ficou largo tempo absorta, alheia de si, vendo ainda na memória
o quadro que passara.
A noite veio, a menina recolheu-se pensativa e melancólica, sem nada explicar à solícita curiosidade da mãe. Que explicaria ela, se mal podia compreender a impressão que as coisas lhe deixavam? Mas, como a mãe entristecesse com aquilo, Guiomar domou o próprio espírito e fez-se tão jovial como nos melhores dias.
Esta era ainda outra feição da menina; tinha uma força de vontade superior aos seus anos. Com ela, a viveza intelectual que Deus lhe dera, logrou aprender tudo
o que a mãe lhe ensinara, e melhor ainda do que ela o sabia, desde que o tempo lhe permitiu desenvolver os primeiros elementos.
Aos treze anos ficou órfã; este fundo golpe em seu coração, foi o primeiro que ela verdadeiramente pôde sentir, e o maior que a fortuna lhe desfechou. Já então a madrinha a fizera entrar para um colégio, onde aperfeiçoava o que sabia e onde lhe ensinavam muita coisa mais.
Vivia ainda então a filha da baronesa, uma interessante criança de treze anos, que era toda a alma e encanto de sua mãe. Guiomar visitava a casa da madrinha; a idade quase igual das duas meninas, a afeição que as ligava, a beleza e meiguice de Guiomar, a graciosa compostura de seus modos, tudo apertou entre a madrinha e a afilhada os laços puramente espirituais que as uniam antes. Guiomar correspondia aos sentimentos daquela segunda mãe; havia talvez em seu afeto, aliás sincero, um tal encarecimento que podia parecer simulação. O afeto era espontâneo; o encarecimento é que seria voluntário.
Tinha a moça dezesseis anos quando passou para o colégio da tia de Estevão, onde pareceu à baronesa se lhe poderia dar mais apurada educação. Guiomar manifestara então o desejo de ser professora.
— Não há outro recurso, disse ela à baronesa quando lhe confiou esta aspiração.
— Como assim? perguntou a madrinha.
— Não há, repetiu Guiomar. Não duvido, nem posso negar o amor que a senhora me tem; mas a cada qual cabe uma obrigação, que se deve cumprir. A minha é... é ganhar o pão.
Estas últimas palavras passaram-lhe pelos lábios como que à força. O rubor subiu-lhe às faces; dissera-se que a alma cobria o rosto de vergonha.
— Guiomar! exclamou a baronesa.
— Peço-lhe uma coisa honrosa para mim, respondeu Guiomar com simplicidade.
A madrinha sorriu e aprovou-a com um beijo, — assentimento de boca, a que já o coração não respondia, e que o destino devia mudar.
Pouco tempo depois padeceu a baronesa o golpe quase mortal a que aludiu no capítulo anterior. A filha morreu de repente, e o inopinado do desastre quase levou a mãe à sepultura.
A afeição de Guiomar não se desmentiu nessa dolorosa situação. Ninguém mostrou sentir mais do que ela a morte de Henriqueta, ninguém consolou tão dedicadamente a infeliz que lhe sobrevivia. Eram ainda verdes os seus anos; todavia revelou ela a posse de uma alma igualmente terna e enérgica, afetuosa e resoluta. Guiomar foi durante alguns dias a verdadeira dona da casa; a catástrofe abatera a própria Mrs. Oswald.
O coração da pobre mãe ficara tão vazio, e a vida lhe pareceu tão agra e deserta sem a filha, que ela morreria talvez de saudade, se não fora a presença de Guiomar. Nenhuma outra criatura poderia preencher, como esta, o lugar de Henriqueta. Guiomar era já meia filha da baronesa; as circunstâncias, não menos que o coração, tinham-nas destinado uma para a outra. Um dia, em que a afilhada fora visitar a madrinha, esta lhe disse que a iria em breve buscar para sua casa.
— Você será a filha que eu perdi; ela não me amou mais, nem eu já agora teria outra consolação.
— Oh! madrinha! exclamou Guiomar beijando-lhe as mãos.
A baronesa estava assentada; Guiomar ajoelhou-se-lhe aos pés e pôs-lhe a cabeça no regaço. A boa mãe curvou-se e beijou-lha ternamente, com os olhos naquela filha que os sucessos lhe haviam dado, e o pensamento no Céu, onde devia estar a outra, que Deus lhe dera e levou para si.
Pouco depois estabeleceu-se Guiomar definitivamente em casa da madrinha, onde a alegria reviveu, gradualmente, graças à nova moradora, em quem havia um tino e sagacidade raros. Tendo presenciado, durante algum tempo, e não breve, o modo de viver entre a madrinha e Henriqueta, Guiomar pôs todo o seu esforço em reproduzir pelo mesmo teor os hábitos de outro tempo, de maneira que a baronesa mal pudesse sentir a ausência da filha. Nenhum dos cuidados da outra lhe esqueceu, e se algum ponto os alterou foi para aumentar-lhe novos. Esta intenção não escapou ao espírito da baronesa, e é supérfluo dizer que deste modo os vínculos do afeto mais se apertaram entre ambas.
Ao mesmo tempo que ia provando os sentimentos de seu coração, revelava a moça, não menos, a plena harmonia de seus instintos com a sociedade em que entrara. A educação, que nos últimos tempos recebera, fez muito, mas não fez tudo. A natureza incumbira-se de completar a obra, — melhor diremos, começá-la. Ninguém adivinharia nas maneiras finamente elegantes daquela moça, a origem mediana que ela tivera; a borboleta fazia esquecer a crisálida.


       





Conteúdo completo disponível em:






Links:


Alexandre Dumas PDF

Honoré de Balzac PDF

Machado de Assis PDF

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas | Song Lyrics - Songtext

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Educação Infantil - Vídeos, Jogos e Atividades Educativas para crianças de 4 à 11 anos

Biomas Brasileiros

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil

Norte Catarinense (Mesorregião)

Norte Central (Mesorregião)

A população atual do estado de Mato Grosso do Sul

Rio de Janeiro - Representação e Localização

Dom Casmurro - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

O Diário de Anne Frank

Salmos 01 - Bíblia

TOP 10: Poesia - Poemas em Português, Espanhol, francês e inglês


Velhas Árvores - Olavo Bilac

Marabá - Gonçalves Dias

Fim - Mário de Sá-Carneiro

Sonnet 18 - William Shakespeare

Vos Que, Dolhos Suaves e Serenos

Bandido negro - Os Escravos - Castro Alves

As cismas do destino - Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesia

TOP 20: PDF para Download - Domínio Público


Livros em PDF para Download

O Mito de Sísifo - Albert Camus

Anne Frank PDF

anne frank pdf

biblia pdf

Mein Kampf - Adolf Hitler - Download PDF Livro Online

Abel e Helena- Artur Azevedo

Outras Poesias - Augusto dos Anjos

Amor De Perdição - Camilo Castelo Branco

Hell or The Inferno from The divine comedy - Dante Alighieri

A Ilustre Casa de Ramires - Eça de Queiros - PDF

Canudos e outros temas - Euclides da Cunha - PDF

Eeldrop and Appleplex - T. S. Eliot - Thomas Stearns Eliot

Marília De Dirceu - Tomás Antônio Gonzaga - PDF Download Livro Online

O Corcunda de Notre-Dame - Victor Hugo - PDF Download Livro Online

Eneida - Virgilio

O Quarto de Jacob - Virginia Woolf - PDF

A Tempestade - William-Shakespeare - Livros em PDF para Download

Bíblia Sagrada - João Ferreira de Almeida - Bíblia

Bíblia Sagrada - Católica

TOP 20: Billboard - Letras de Músicas - Song Lyrics - Songtext


Humble - Kendrick Lamar

You're Welcome - Dwayne Johnson

Prblms - 6LACK

Good Drank - 2 Chainz x Gucci Mane x Quavo

Scared To Be Lonely - Martin Garrix & Dua Lipa

Nothings Into Somethings - Drake

Can't Have Everything - Drake

Glow - Drake Featuring Kanye West

Do Not Disturb - Drake

Ice Melts - Drake Featuring Young Thug

Madiba Riddim - Drake

Jorja Interlude - Drake

4422 - Drake Featuring Sampha

KMT - Drake Featuring Giggs

No Long Talk - Drake Featuring Giggs

Get It Together - Drake Featuring Jorja Smith & Black Coffee

Still Got Time - Zayn Featuring PARTYNEXTDOOR

Swalla - Jason Derulo Featuring Nicki Minaj & Ty Dolla $ign

Speak To A Girl - Tim McGraw & Faith Hill

Sacrifices - Drake Featuring 2 Chainz & Young Thug

Teenage Fever - Drake

XO TOUR Llif3 - Lil Uzi Vert

Blem - Drake

Gyalchester - Drake

Free Smoke - Drake

The Heart Part 4 - Kendrick Lamar

Portland - Drake Featuring Quavo & Travis Scott

Liability - Lorde

Chanel - Frank Ocean

Changed It - Nicki Minaj & Lil Wayne

Regret In Your Tears - Nicki Minaj

No Frauds - Nicki Minaj, Drake & Lil Wayne

Happier - Ed Sheeran

Perfect - Ed Sheeran

Starz In Their Eyes - Just Jack

Rolex - Ayo & Teo

Something Just Like This - The Chainsmokers & Coldplay

Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo


Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo - Sanderlei Silveira

Teatro Amazonas - Manaus - Amazonas AM - Brasil

Fernando de Noronha - Pernambuco PE - Brasil

Foz do Iguaçu - Paraná PR - Brasil

Montevidéu - Uruguai UY

Buenos Aires - Argentina AR

Machu Picchu - Peru PE

Iquitos - Peru PE

Lima e Puno - Peru PE

Cartagena - Colômbia CO

Aruba - Caribe

Curaçao - Caribe

Ilhas Virgens Americanas - Caribe

São Martinho - Caribe

Madrid - Espanha ES

Vaticano VA - Europa

Munique e Nuremberg - Alemanha DE

Paris - França FR

Veneza - Itália IT

Roma - Itália IT

Londres - Inglaterra UK

Londres - Inglaterra UK

Nova Iorque - Estados Unidos US

Walt Disney World Resort - Estados Unidos US

Florida - Estados Unidos US

Porto Velho - Rondônia RO - Brasil

Rio Branco - Acre AC - Brasil

Brasiléia - Acre AC - Brasil

Cobija - Bolívia

Porto Velho - Manaus - Barco - Amazonas AM - Brasil

Audiobook, Educação Infantil, Ensino Fundamental


Atividades Educativas Ensino Fundamental - Aprendendo sobre o Dinheiro

Os Sertões - Euclides da Cunha

Pride and Prejudice - Jane Austen

TOP 10: BLOG by Sanderlei Silveira


Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Urry - C. J. Dennis

As festas populares no estado de Santa Catarina - SC

As festas populares no estado de São Paulo - SP

As festas populares no estado do Paraná - PR

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul - MS

Os símbolos do estado do Rio de Janeiro - RJ

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil (Atualizado até 01/2017)

Idade das Religiões - História

Ursa Maior

A Carolina

Os Sertões - Euclides da Cunha - Áudio Livro


Lista de BLOGs by Sanderlei Silveira



Artur de Azevedo - Contos

Audio Livro - Sanderlei

AudioBook - Sanderlei

Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesias

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas - Sanderlei

Contos de Eça de Queirós

Curso de Espanhol Online - Gratis e Completo

Curso de Inglês Online - Gratis e Completo

Diva - José de Alencar - Audiobook

Economia em 1 Minuto - Sanderlei

Educação Infantil - Nível 1 (crianças entre 4 a 6 anos)

Educação Infantil - Nível 2 (crianças entre 5 a 7 anos)

Educação Infantil - Nível 3 (crianças entre 6 a 8 anos)

Educação Infantil - Nível 4 (crianças entre 7 a 9 anos)

Educação Infantil - Nível 5 (crianças entre 8 a 10 anos)

Educação Infantil - Nível 6 (crianças entre 9 a 11 anos)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Áudio Livro)

Historia en 1 Minuto

History in 1 Minute

História em 1 Minuto

João da Cruz e Sousa - Broquéis

Lima Barreto - Contos (Áudio Livro - Audiobook)

Livros em PDF para Download (Domínio Público) - Sanderlei

Língua Portuguesa, Arte e Literatura

Machado de Assis

A Mão e a Luva - Machado de Assis

Crônica - Machado de Assis

Dom Casmurro - Machado de Assis

Esaú e Jacó - Machado de Assis

Helena - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

Papéis Avulsos - Machado de Assis

Poesia - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Teatro - Machado de Assis

Macunaíma - Mário de Andrade

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Mein Kampf (Minha luta) - Adolf Hitler

O Diário de Anne Frank

Os Escravos - Castro Alves

Paraná - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Poesia - Sanderlei Silveira

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR)

Poetry in English - Sanderlei Silveira

Rio de Janeiro - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Salmos - Bíblia Online

Santa Catarina - Conheça seu Estado (História e Geografia)

SAP - Course Free Online

Sonetos - Poemas de Amor - Luís Vaz de Camões

São Paulo - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Totvs - Datasul - Treinamento Online (Gratuito)

HISTÓRIA EM 1 MINUTO

BÍBLIA ONLINE – SANDERLEI

DOM CASMURRO – MACHADO DE ASSIS

HISTORIA EN 1 MINUTO – SANDERLEI

HISTORY IN 1 MINUTE – SANDERLEI

O Diário de Anne Frank

Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo - Sanderlei Silveira


segunda-feira, 10 de abril de 2017

O POST SCRIPTUM

       


Aquele conselho de Luís Alves, na fatal noite de dois anos antes, não há dúvida que era judicioso e devera ter ficado no espírito de Estevão. Não convinha reler a carta, sob pena de lhe achar um post scriptum. Estevão era curioso de epístolas; não pôde ter-se que não abrisse aquela. O post scriptum lá estava no fim.
Vindo à linguagem natural, Estevão saiu do jardim de Luís Alves com o coração meio inclinado a amar de novo a mulher que tanto o fizera padecer um dia. Daqui concluirá alguém que ele verdadeiramente não deixara de a amar. Pode ser; havia talvez debaixo da cinza uma faísca, uma só, e essa bastava a repetir o incêndio. Mas fosse de um ou de outro modo, o certo é que Estevão saiu dali com
o princípio do amor no coração.
Todo aquele dia foi de alvoroço e agitação para ele, que não se resignou logo, antes buscou reagir contra a entrada da paixão nova. A tentativa era sincera; as forças é que eram escassas. Ele desviava de si a imagem da moça; ela, porém, perseguia-o, tenaz, como se fora um remorso, fatal como a voz de seu destino.
Estevão nada disse a Luís Alves do encontro e da conversa que tivera com a moça no jardim; e não lho escondeu por desconfiança, mas por vergonha. Que lhe diria porém ele que o não tivesse visto e percebido Luís Alves? Da janela de seu quarto, que dava para o jardim, enfiando os olhos pela fresta das cortinas pôde observá-los durante aqueles três quartos de hora de inocente palestra. O espetáculo não o divertiu muito; Luís Alves achou um pouco atrevida a escolha do lugar.
A circunstância de os ver juntos chamou-lhe a atenção para a coincidência do nome da vizinha com o da antiga namorada do colega; era naturalmente a mesma pessoa.
— Vai contar-me tudo, pensou Luís Alves quando viu o colega afastar-se da cerca e dirigir os passos para casa.
Estevão, como disse, foi discreto. Vinha preocupado, muito outro do que entrara na véspera, a ler-se-lhe no rosto alguma coisa mais séria do que ele próprio costumava ser.
Tinha Estevão contra si o passado e o futuro. O presente, sim, defendia-o; ele sentia que alguma coisa o distanciava de Guiomar. Mas o passado falava-lhe de todas as doces recordações, — as menos amargas, — e a memória quase não sabe de outras quando relembra o que foi. O futuro acenava-lhe com as suas esperanças todas, e basta dizer que eram infinitas. Além disso, a Guiomar que ele via agora, surgia-lhe no meio de outra atmosfera, — a mesma que o seu espírito almejava respirar; e aparecia-lhe para fugir logo. Sobre tudo isto o obstáculo, aquela porta fechada, que bem podia ser a da città dolente, mas que em todo o caso ele quisera ver franqueada às suas ambições.
Os dias correram alternados de confiança e desânimo, tecidos de ouro e fio negro, um lutar de todas as horas, que acabou como era de prever e devia acabar. O coração levou Estevão atrás de si.
Nenhum meio, dos que tinha à mão, lhe esqueceu para ver Guiomar. As janelas da casa estavam quase sempre desertas. Duas ou três vezes aconteceu vê-la de longe; ao aproximar-se-lhe, sumira-se o vulto na sombra do salão. Não perdia teatro; mas só duas vezes teve o gosto de a ver: uma no Lírico, onde se cantava Sonâmbula, outra no Ginásio, onde se representavam os Parisienses, sem que ele ouvisse uma nota da ópera, nem uma palavra da comédia. Todo ele, olhos e pensamento, estava no camarote de Guiomar. No Lírico foi baldada essa contemplação; a moça não deu por ele. No Ginásio, sim; o teatro era pequeno; contudo, antes não fora visto, tão tenazmente desviou ela os olhos do lugar em que ele ficara.
Nem por isso deixou Estevão de ir esperá-la à saída, colocar-se francamente no seu caminho, solicitar-lhe audazmente os olhos e atenção. A família desceu da 2ª ordem pela escada do lado de São Francisco; a estreiteza do lugar era excelente. Dava o braço à baronesa um moço de vinte e cinco anos, figura elegante, ainda que um tanto afetada. Desceram todos três e ficaram à espera do carro alguns minutos. Na meia sombra que ali havia destacava-se o rosto marmóreo de Guiomar e a gentileza de seu talhe. Seus grandes olhos vagavam pela multidão, mas não fitavam ninguém. Ela possuía, como nenhuma outra, a arte de gozar, sem as ver, as homenagens da admiração pública.
Irritado com a indiferença da moça, vagou Estevão toda aquela noite, a sós com
o seu despeito e o seu amor, tecendo e destecendo mil planos, todos mais absurdos uns que outros. A taça enchera de todo; era mister entorná-la no seio de um amigo, de um amigo que houvesse nas suas mãos o único remédio que ele nessa ocasião pedia; — a chave daquela porta.
Luís Alves era esse homem.
— Outra vez caído! exclamou ele rindo quando Estevão lhe contou tudo. Eu já o havia percebido. Isto de mulheres... Queres então que te leve lá?
— Quero.
Luís Alves refletiu alguns instantes.
— E uma viagem, não te seria bom fazer uma viagem? Já sei o que me vais dizer; mas também não te proponho uma viagem de recreio, à Europa. Olha, arranjo-te, se queres, um lugar de juiz municipal...
A proposta era sincera; Estevão cuidou ver-lhe uma ponta de zombaria e ergueu os ombros com enfado. A proposta, entretanto, merecia ser examinada; era uma carreira, e vinha de um homem que estava a entrar na vida política, que esperava daí a algumas semanas o resultado de uma eleição, com a certeza, ou quase, de haver triunfado. Era influência que nascia, e de força viria a crescer. Mas para Estevão, naquela ocasião, toda a carreira pública, influência, futuro, leis, tudo estava nos olhos castanhos de Guiomar.
— Eu, amo-a, disse ele enfim, isto para mim é tudo. Pode bem ser que tenhas razão; talvez me espere algum grande desgosto; mas são reflexões, e eu não reflito agora, eu sinto...
— Em todo o caso, acudiu Luís Alves, desempenho o meu dever de amigo; digo-te que vocês não nasceram um para o outro; que, se ela te não amou naquele tempo, muito menos te amará hoje, e que enfim...
Luís Alves estacou.
— Enfim? perguntou Estevão.
— Enfim pedes-me um sacrifício, concluiu rindo o advogado, porque também eu já a namorisquei... Não é preciso carregares o sobrolho; foi namoro de vizinho, tentativa que durou pouco mais de vinte e quatro horas. Com vergonha o digo, ela não me prestou uma migalha de atenção sequer, e eu voltei aos meus autos.
— Então... gostas dela? perguntou Estevão.
— Acho-a bonita e nada mais. Aquilo foi um lançar barro à parede; se aceitasse, casava-me; não aceitou...
— Já vês que somos diferentes.
— Queres, então?...
— Um serviço de amigo.
— Bem, disse por fim Luís Alves, faça-se a tua vontade. A baronesa vai cuidar agora de um processo e mandou-me falar. Eu passo-te a prebenda; entrarás ali, como advogado, o que de alguma maneira me tira um peso da consciência.
Estevão, que só pedia um pretexto, aceitou a oferta com ambas as mãos, e agradeceu-lha com tão expansiva ternura, que fez sorrir o outro.
A promessa cumpriu-se pontualmente. Luís Alves apresentou Estevão à baronesa, na seguinte noite, como seu companheiro e amigo, como advogado capaz de zelar os interesses da ilustre cliente. A recepção, foi geralmente boa, salvo por parte de Guiomar, que pareceu aborrecida de o ver naquela casa. Quando Estevão a saudou, como quem a conhecia de longo tempo, ela mal pôde retribuir-lhe o cumprimento; em todo o resto da noite não lhe deu palavra. Daquela parte
o acolhimento não podia ser pior; mas Estevão sentia-se feliz desde que vê-la, respirar o mesmo ar, nada mais pedindo por ora, e deixando o resto à fortuna.
De todas as pessoas da casa da baronesa, a primeira que reparou na indiferença com que Guiomar tratara Estevão, foi Mrs. Oswald. A sagaz inglesa afivelou a máscara mais impassível que trouxera das ilhas britânicas e não os perdeu de vista. Nem da primeira nem da segunda vez viu nada mais que os olhos dele, que solicitavam os dela, e os dela que pareciam surdos. Havia decerto uma paixão, solitária e desatendida.
— Sabe que descobri um namorado seu? perguntou ela alguns dias depois à Guiomar.
Guiomar fez um gesto de estranheza.
— Entendamo-nos, observou a inglesa; não digo que a senhora o namore também; digo que é ele quem anda apaixonado. Não adivinha?
— Talvez.
— O Dr. Estevão.
Guiomar fez um gesto de desdém.
— Vejo que tinha adivinhado, disse Mrs. Oswald; também não era difícil. Quem tem alguma prática destas coisas fareja uma paixão a cem léguas de distância, por mais que ela busque recatar-se dos olhos estranhos. Os namorados geralmente supõem que ninguém os vê; é uma lástima. Olhe, da senhora posso eu jurar que não está namorada de pessoa nenhuma.
— Que sabe disso? perguntou Guiomar deitando os olhos para o espelho de seu guarda-vestidos. Pois estou, mas de mim mesma.
Mrs. Oswald desatou a rir, de um riso grave e pausado. Ela sabia que a moça tinha orgulho de suas graças; era bom caminho afagar-lhe o sentimento. Disse-lhe muita coisa bonita, que não vem para aqui, e concluiu pondo-lhe as mãos nos ombros, encarando-a fito a fito, e enfim rompendo nestas palavras, meio suspiradas:
— A senhora é a flor desta sua terra. Quem a colherá? Alguém sei eu que a
merece...
Guiomar ficou séria, e desviou brandamente as mãos da inglesa, murmurando:
— Mrs. Oswald, falemos de outra coisa.


       





Conteúdo completo disponível em:






Links:


Alexandre Dumas PDF

Honoré de Balzac PDF

Machado de Assis PDF

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas | Song Lyrics - Songtext

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Educação Infantil - Vídeos, Jogos e Atividades Educativas para crianças de 4 à 11 anos

Biomas Brasileiros

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil

Norte Catarinense (Mesorregião)

Norte Central (Mesorregião)

A população atual do estado de Mato Grosso do Sul

Rio de Janeiro - Representação e Localização

Dom Casmurro - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

O Diário de Anne Frank

Salmos 01 - Bíblia

TOP 10: Poesia - Poemas em Português, Espanhol, francês e inglês


Velhas Árvores - Olavo Bilac

Marabá - Gonçalves Dias

Fim - Mário de Sá-Carneiro

Sonnet 18 - William Shakespeare

Vos Que, Dolhos Suaves e Serenos

Bandido negro - Os Escravos - Castro Alves

As cismas do destino - Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesia

TOP 20: PDF para Download - Domínio Público


Livros em PDF para Download

O Mito de Sísifo - Albert Camus

Anne Frank PDF

anne frank pdf

biblia pdf

Mein Kampf - Adolf Hitler - Download PDF Livro Online

Abel e Helena- Artur Azevedo

Outras Poesias - Augusto dos Anjos

Amor De Perdição - Camilo Castelo Branco

Hell or The Inferno from The divine comedy - Dante Alighieri

A Ilustre Casa de Ramires - Eça de Queiros - PDF

Canudos e outros temas - Euclides da Cunha - PDF

Eeldrop and Appleplex - T. S. Eliot - Thomas Stearns Eliot

Marília De Dirceu - Tomás Antônio Gonzaga - PDF Download Livro Online

O Corcunda de Notre-Dame - Victor Hugo - PDF Download Livro Online

Eneida - Virgilio

O Quarto de Jacob - Virginia Woolf - PDF

A Tempestade - William-Shakespeare - Livros em PDF para Download

Bíblia Sagrada - João Ferreira de Almeida - Bíblia

Bíblia Sagrada - Católica

TOP 20: Billboard - Letras de Músicas - Song Lyrics - Songtext


You're Welcome - Dwayne Johnson

Prblms - 6LACK

Good Drank - 2 Chainz x Gucci Mane x Quavo

Scared To Be Lonely - Martin Garrix & Dua Lipa

Nothings Into Somethings - Drake

Can't Have Everything - Drake

Glow - Drake Featuring Kanye West

Do Not Disturb - Drake

Ice Melts - Drake Featuring Young Thug

Madiba Riddim - Drake

Jorja Interlude - Drake

4422 - Drake Featuring Sampha

KMT - Drake Featuring Giggs

No Long Talk - Drake Featuring Giggs

Get It Together - Drake Featuring Jorja Smith & Black Coffee

Still Got Time - Zayn Featuring PARTYNEXTDOOR

Swalla - Jason Derulo Featuring Nicki Minaj & Ty Dolla $ign

Speak To A Girl - Tim McGraw & Faith Hill

Sacrifices - Drake Featuring 2 Chainz & Young Thug

Teenage Fever - Drake

XO TOUR Llif3 - Lil Uzi Vert

Blem - Drake

Gyalchester - Drake

Free Smoke - Drake

The Heart Part 4 - Kendrick Lamar

Portland - Drake Featuring Quavo & Travis Scott

Liability - Lorde

Chanel - Frank Ocean

Changed It - Nicki Minaj & Lil Wayne

Regret In Your Tears - Nicki Minaj

No Frauds - Nicki Minaj, Drake & Lil Wayne

Happier - Ed Sheeran

Perfect - Ed Sheeran

Starz In Their Eyes - Just Jack

Green Light - Lorde

Hometown Girl - Josh Turner

Rolex - Ayo & Teo

Something Just Like This - The Chainsmokers & Coldplay

Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo


Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo - Sanderlei Silveira

Teatro Amazonas - Manaus - Amazonas AM - Brasil

Fernando de Noronha - Pernambuco PE - Brasil

Foz do Iguaçu - Paraná PR - Brasil

Montevidéu - Uruguai UY

Buenos Aires - Argentina AR

Machu Picchu - Peru PE

Iquitos - Peru PE

Lima e Puno - Peru PE

Cartagena - Colômbia CO

Aruba - Caribe

Curaçao - Caribe

Ilhas Virgens Americanas - Caribe

São Martinho - Caribe

Madrid - Espanha ES

Vaticano VA - Europa

Munique e Nuremberg - Alemanha DE

Paris - França FR

Veneza - Itália IT

Roma - Itália IT

Londres - Inglaterra UK

Londres - Inglaterra UK

Nova Iorque - Estados Unidos US

Walt Disney World Resort - Estados Unidos US

Florida - Estados Unidos US

Porto Velho - Rondônia RO - Brasil

Rio Branco - Acre AC - Brasil

Brasiléia - Acre AC - Brasil

Cobija - Bolívia

Porto Velho - Manaus - Barco - Amazonas AM - Brasil

Audiobook, Educação Infantil, Ensino Fundamental


Atividades Educativas Ensino Fundamental - Aprendendo sobre o Dinheiro

Os Sertões - Euclides da Cunha

Pride and Prejudice - Jane Austen

TOP 10: BLOG by Sanderlei Silveira


Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Urry - C. J. Dennis

As festas populares no estado de Santa Catarina - SC

As festas populares no estado de São Paulo - SP

As festas populares no estado do Paraná - PR

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul - MS

Os símbolos do estado do Rio de Janeiro - RJ

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil (Atualizado até 01/2017)

Idade das Religiões - História

Ursa Maior

A Carolina

Os Sertões - Euclides da Cunha - Áudio Livro


Lista de BLOGs by Sanderlei Silveira



Artur de Azevedo - Contos

Audio Livro - Sanderlei

AudioBook - Sanderlei

Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesias

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas - Sanderlei

Contos de Eça de Queirós

Curso de Espanhol Online - Gratis e Completo

Curso de Inglês Online - Gratis e Completo

Diva - José de Alencar - Audiobook

Economia em 1 Minuto - Sanderlei

Educação Infantil - Nível 1 (crianças entre 4 a 6 anos)

Educação Infantil - Nível 2 (crianças entre 5 a 7 anos)

Educação Infantil - Nível 3 (crianças entre 6 a 8 anos)

Educação Infantil - Nível 4 (crianças entre 7 a 9 anos)

Educação Infantil - Nível 5 (crianças entre 8 a 10 anos)

Educação Infantil - Nível 6 (crianças entre 9 a 11 anos)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Áudio Livro)

Historia en 1 Minuto

History in 1 Minute

História em 1 Minuto

João da Cruz e Sousa - Broquéis

Lima Barreto - Contos (Áudio Livro - Audiobook)

Livros em PDF para Download (Domínio Público) - Sanderlei

Língua Portuguesa, Arte e Literatura

Machado de Assis

A Mão e a Luva - Machado de Assis

Crônica - Machado de Assis

Dom Casmurro - Machado de Assis

Esaú e Jacó - Machado de Assis

Helena - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

Papéis Avulsos - Machado de Assis

Poesia - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Teatro - Machado de Assis

Macunaíma - Mário de Andrade

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Mein Kampf (Minha luta) - Adolf Hitler

O Diário de Anne Frank

Os Escravos - Castro Alves

Paraná - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Poesia - Sanderlei Silveira

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR)

Poetry in English - Sanderlei Silveira

Rio de Janeiro - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Salmos - Bíblia Online

Santa Catarina - Conheça seu Estado (História e Geografia)

SAP - Course Free Online

Sonetos - Poemas de Amor - Luís Vaz de Camões

São Paulo - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Totvs - Datasul - Treinamento Online (Gratuito)

HISTÓRIA EM 1 MINUTO

BÍBLIA ONLINE – SANDERLEI

DOM CASMURRO – MACHADO DE ASSIS

HISTORIA EN 1 MINUTO – SANDERLEI

HISTORY IN 1 MINUTE – SANDERLEI

O Diário de Anne Frank

Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo - Sanderlei Silveira